quarta-feira, 26 de agosto de 2009

O PRADO


Ainda hoje é vulgar ouvirmos pessoas referirem-se ao prado de Matosinhos ou ao ribeiro que o atravessava.
Mas poucas pessoas sabem o que era o prado e ainda menos pessoas o viram.
Nos fins do séc XIX início do séc. passado ainda a vila de Matosinhos terminava na Rua do Godinho, após a qual existia um enorme descampado a que se chamava o prado.
Nesta imagem podemos ver parte do prado, o ribeiro que o atravessava, onde as mulheres iam lavar a roupa e o senhor do Padrão, ainda isolado. A rua Heróis de França e Av. Serpa Pinto ainda não existiam neste local.
Neste prado era vulgar verem-se ovelhas pastando.
O Ribeiro do prado tinha peixes e outra vida aquática.
Este era um dos locais favoritos para a rapaziada brincar.
Este terreno que se vê na imagem, cerca de 1910 era propriedade do Conde de Leça, José Leite Nogueira Pinto e de seu irmão Ernesto. Por esta altura começou a ser vendido em talhões.
Também neste terreno, mesmo em frente ao Senhor do Padrão esteve instalada a 1.ª praça de Touros de Matosinhos.

3 comentários:

  1. A cultura é aquilo que permanece no homem quando ele já esqueceu tudo o resto.

    CULTURA:
    Será que os nossos candidatos no seu programa de campanha eleitoral vão incluir pacotes de
    Incentivos á nossa cultura por vezes tão esquecida na nossa cidade?

    Aceitam-se os comentários.

    Saudações Marítimas
    José Modesto

    ResponderEliminar
  2. Caros Amigos da blogosfera, lancei pelo menos quatro desafios que me parecem importantes no nosso futuro
    o futuro de Matosinhos as suas Freguesias, a suas Gentes, confesso que a reacção aos reptos por mim lançados, as respostas foram quase nulas.
    Os desafios foram:
    TRÂNSITO
    CULTURA
    TRABALHO
    ENSINO
    No entanto fico deverás pasmado, já que depois dos nossos bloggers publicarem os referidos desafios, os comentários
    aos mesmos foram quase nenhuns!!! no entanto noto que a intriga e o mal dizer continua…Matosinhos a minha terra é diferente em tudo.

    Haveria mais desafios a fazer, vou aguardar, entendo que existe uma falta de cultura e de vazio que é urgente
    colmatar, da minha parte continuarei a fazer o que sempre fiz: dar o meu modesto contributo para que a nossa terra fique melhor.
    Espero ansiosamente pelas eleições, aí veremos o que os nossos candidatos, bem como a equipa vão fazer em prol desta terra plantada á beira mar.

    Saudações Marítimas
    José Modesto

    ResponderEliminar
  3. Amigo Modesto. No seu texto está a resposta ao seu apelo. São nulidades em todo o lado e o vazio é a melhor ideia.
    A intigra e o mal dizer atrai sempre mais "moscas". Se alguém avança com ideias sérias ou tem uma desinteressada e genuina vontade de participação cívica, todos julgam que nos conhecem e cristalizam juízos de valor.
    Além disso, ninguém é profeta na sua terra, como já provou Jesus Cristo há mais de 2 mil anos.
    Já que pede, dou-lhe uma ajuda:
    Transito - estamos pior que o Porto
    Cultura - Apesar de tudo é razoável. Recordemos também a Horta á Porta.
    Trabalho - a emigração é o melhor caminho
    Ensino - está de férias.

    Cumprimentos e continuação de boas férias.

    ResponderEliminar